Brasil / Itália / Portugal / Polônia / Alemanha
Barros & Vallada Assessoria e Consultoria em Dupla Cidadania

A nova versão do Cartão de Saúde representa a evolução tecnológica do Cartão “TS” (sem chip), uma vez que, para além dos serviços de saúde normalmente utilizáveis ​​com o TS, permite também o acesso aos serviços disponibilizados online pela Administração Pública, em absoluta segurança e respeito pela privacidade.

Para utilizar o Cartão de Saúde como Cartão de Serviço Nacional (TS-CNS), é necessário ativá-lo, seguindo as instruções fornecidas em “ Como acessar com o TS-CNS ”.

O Cartão de Saúde-CNS é gratuito, normalmente é válido por 6 anos ou igual à duração da autorização de residência e, no termo do TS, é enviado pelo Ministério da Economia e Finanças a todos os cidadãos assistidos pelo Serviço. Saúde.

O Cartão de Saúde é necessário quando o cidadão vai ao médico ou pediatra, arrecada medicamento na farmácia, agenda exame em laboratório de análises, faz consulta especializada em hospital ou ASL e, em qualquer caso, sempre que precisar para certificar o seu código fiscal.

O Cartão de Saúde é o documento pessoal que substituiu o cartão plástico do código tributário; é emitido a todos os cidadãos italianos com direito aos serviços prestados pelo Serviço Nacional de Saúde (SSN).

O Cartão de Saúde é produzido automaticamente quando o ASL comunica os dados de assistência ao Sistema TS; o envio é feito para o endereço de residência presente, no momento da produção, no banco de dados do Registro Fiscal.

Na frente do cartão de saúde estão:

Frente do cartão de saúde com dados pessoais, data de validade, caracteres em Braille e espaço para dados regionais de saúde

Frente do cartão de saúde com dados pessoais, data de validade, caracteres em Braille e espaço para dados regionais de saúde

  1. Código fiscal e dados pessoais do cliente;
  2. Local de nascimento: corresponde ao município de nascimento para os cidadãos nascidos na Itália e o país estrangeiro de nascimento é relatado ao país estrangeiro para os cidadãos estrangeiros;
  3. Província: corresponde às iniciais da província no momento do nascimento do titular, ainda que tenha sofrido variações sucessivas;
  4. Prazo de validade: é de 6 anos se a assistência for ilimitada; de menor duração, em situações particulares (por exemplo, estrangeiros com autorização de residência limitada);
  5. Formato Braille: três letras no formato Braille padrão de 6 pontos, para cegos;
  6. Área gratuita para quaisquer dados regionais de saúde que podem ser usados ​​para afixar adesivos ou símbolos regionais.

 

Equipe

O verso do Cartão de Saúde, conforme ilustrado na imagem, constitui o Cartão Europeu de Assistência à Saúde (CESD). O EHIC garante cuidados de saúde na União Europeia, Noruega, Islândia, Liechtenstein e Suíça, de acordo com os regulamentos em vigor em cada país.

Para obter os serviços, a pessoa atendida pode ir diretamente a um médico ou a uma unidade de saúde pública ou afiliada e apresentar o CESD.

A assistência é direta e portanto nada é devido, exceto o pagamento de um eventual bilhete que fica a cargo do cliente e, portanto, não reembolsável.

Observe que na Suíça e na França, onde existe um sistema baseado na assistência indireta, o pagamento dos serviços é mais frequentemente exigido. O reembolso destes benefícios pode ser solicitado diretamente no local à instituição competente (KVG para a Suíça e CPAM competente para a França); caso contrário, o reembolso deverá ser solicitado à ASL no retorno à Itália, apresentando os recibos e a documentação sanitária.

Ressalta-se que o CESD não pode ser utilizado para transferência ao exterior para atendimento altamente especializado (atendimento programado), para o qual é necessária a autorização prévia do próprio ASL.

Se o titular do Cartão de Saúde não tiver o direito de usar o CESD, ele é invalidado ao imprimir asteriscos.

Verso do Cartão de Saúde com banda magnética, Código Tributário em formato "código de barras" e identificação do Estado que emite o Cartão

Os dados informados, com exceção do código de barras, só são expostos se o cidadão tiver direito à assistência à saúde no exterior.

  1. Tira magnética onde são registradas as informações pessoais do paciente;
  2. Código de imposto em formato de ‘código de barras’ (código de barras);
  3. Código de identificação do Estado que emite o cartão (para a Itália a sigla é IT, de acordo com o código ISO 3166-1);
  4. Dados do cliente (apelido, nome, data de nascimento, número de identificação pessoal, número de identificação do cartão e data de validade). Se um cidadão não tiver direito a cuidados de saúde no estrangeiro, os dados reportados no EHIC serão marcados por uma série de asteriscos.Fonte: https://sistemats1.sanita.finanze.it/

Qual será o custo de vida na Itália? Será que é um país caro?”

Cálculos, cálculos e mais cálculos! Decidir se mudar para um lugar novo e recomeçar a vida requer tempo, dedicação, estudo e, claro, muita cautela e paciência. Uma das dúvidas que surge, durante os primeiros preparativos, é justamente sobre o custo de vida: aluguel, boletos e gastos com a casa, supermercado, lazer.
Neste artigo, você encontrará explicações sobre os gastos na Itália, o poder aquisitivo do país, além de informações sobre o salário médio italiano.

O custo de vida na Itália é alto?

O custo de vida de uma cidade ou de um país é bastante relativo. Isso porque a equação por trás do indicador “custo de vida” parece muito simples, mas é bastante complexa.
Grosso modo, o “custo de vida” seria algo como a soma dos preços pagos pelos serviços oferecidos em um determinado contexto sociogeográfico. Porém, fica implícita a ideia, por exemplo, de poder de compra. Uma cidade pode ser barata, mas se o poder de compra for muito baixo ou limitado, assim como a renda, ela vira “cara” para quem mora ali. Entende?
Por isso, vamos tentar mostrar um quadro geral do custo de vida, tendo em conta os valores médios dos gastos gerais no país e, claro, a qualidade de vida na Itália.

Custo médio

Segundo o banco de dados Numbeo, o custo de vida para uma pessoa no país é de cerca de 800€ sem aluguel. Mas tenha presente que o custo de vida em Roma, por exemplo, é diferente do custo de vida de uma cidade menos turística, como Turim!

Aluguel na Itália

O aluguel é o primeiro ponto da lista de custos de quem pretende morar na Itália. Os preços tendem a variar de cidade para cidade e, claro, de norte a sul.
A tendência é que o aluguel seja mais caro nas capitais das regiões e nas cidades grandes do norte do país, o que deixa o custo de vida na Itália um pouquinho alto. Cidades como Milão, Roma e Florença costumam ter os aluguéis mais caros do país.
Em cidades médias, por outro lado, o preço médio dos aluguéis de um apartamento com um quarto, considerando os valores de apartamento no centro e mais afastados, é o seguinte:

Cidade e região Localização Preço médio do aluguel
Verona, Vêneto norte 583€
Arezzo, Toscana centro 491€
Salerno, Campânia sul 550€

Custo para comprar casa na Itália

Comprar casa na Itália pode ser uma ótima solução para fugir do aluguel. Naturalmente, a variação de preços também se faz presente quando o assunto é comprar casa. O m² muda de cidade para cidade e, principalmente, de região para região.

Cidade e Região Localização Preço m²
Módena, Emilia Romanha norte 2.240€
Gênova, Ligúria norte 2.210€
Foligno, Úmbria centro 1.275€
Ascoli Piceno, Marche centro 1.950€
Catanzaro, Calábria sul 1.025€
Catânia, Sicília sul 1.735€

O governo italiano oferece muitas alternativas para a compra da casa própria, principalmente para cidadãos italianos que pretendam reingressar ao país e não tenham nenhum imóvel.
Pode ser uma grande ajuda, desta forma, o custo de vida na Itália cai um pouquinho, uma vez que o aluguel tende a ser proporcionalmente mais alto do que uma mensalidade do financiamento.

Pensando em se mudar para a cidade eterna? Veja, neste artigo, os quartos para alugar em Roma.

Alimentação na Itália

A Itália tem uma grande vantagem: é um país autossuficiente do ponto de vista da agricultura. A maioria das cidades encontra-se próxima a cidades pequenas, o que faz com que as verduras sejam “km 0”, ou seja, direto do produtor, sem intermediários.
Vejamos o valor médio gasto por duas pessoas por mês, em diferentes cidades, e alguns exemplos de refeições e alimentos:

Cidade e região Localização Preço Salário médio
Bologna, Emília Romanha norte 140€ 1.470€
Verona, Vêneto norte 130€ 1.600€
Ancona, Marche centro 150€ 1.300€
Viterbo, Lazio centro 135€ 1.450€
Bari, Puglia sul 105€ 1.350€
Reggio Calábria, Calábria sul 100€ 1.000€
Itália 130€ 1.400€

Podemos dizer que, em média, o mercado corresponde a cerca de 5% do salário médio italiano. Dentre todos os gastos mensais, esse é o que menos influencia no custo de vida na Itália.

Contas da casa na Itália

Os boletos… Sempre eles! Infelizmente, eles existem na Itália também, afinal nem tudo é perfeito!
Brincadeiras a parte, as despesas com as contas ocupa a maior parte do custo de vida na Itália. Isso porque, além dos gastos usuais, como água, luz, telefone/internet, gás, você vai precisar pagar a taxa do lixo e o famoso aquecimento! Geralmente, este está incluído no condomínio ou na conta de gás, vai depender da sua casa.

Utilidade Preço médio
Água 20€
Luz 30€
Gás e aquecimento 30€ (70€ no inverno)
Taxa do lixo 25€
Internet 30€
Celular 15€
Total 150€ (ou 190€ no inverno)

Destine, pelo menos, 20% do seu salário ou budget mensal para os gastos mensais fixos.
Dica: confira no nosso artigo sobre vagas de emprego na Itália.

Transporte na Itália

O transporte público urbano na Itália, compreende ônibus, metrô, bonde (“tram”) e, muitas vezes, algumas linhas de trem no perímetro urbano e táxi.
Normalmente um bilhete dura 70 minutos e custa, em média, 1,50€, enquanto que o bilhete mensal sai por volta de 35€. Se você usa bastante o transporte coletivo, o bilhete mensal é sempre a melhor opção, uma vez que o uso é ilimitado! Deste jeito, você conseguirá abaixar um pouco o custo de vida na Itália mensal e dar uma trégua para o seu bolso!
O transporte extraurbano, por outro lado, engloba os trens e ônibus intermunicipais ou inter-regionais. O preço desse tipo de transporte vai depender da distância entre o seu ponto de partida e o seu destino.
No site da Trenitalia, você pode consultar o preço dos tickets. Para saber o custo de cada linha de transporte público municipal, você deverá consultar o site de cada empresa.
Custo transporte na Itália
Em relação ao transporte rodoviário, uma boa notícia: somente as autoestradas possuem pedágios! O tráfego é “gratuito” nas rodovias (chamadas “Superstrada”) e estradas locais (que podem ser “Strada comunale” ou “strada provinciale”). O preço médio por km rodado é de 0,08 € nas autoestradas.
Se você pensa em comprar um carro na Itália, saiba que a despesa mais importante será com o seguro, que é obrigatório. Sem ele, você não pode sair de casa! É um gasto que pode pesar no custo de vida na Itália, mas que pode ser parcelado. Normalmente, o seguro custa de 600€ a 2.500€ por ano.

Saúde na Itália

A saúde na Itália é universal, mas não é gratuita. O preço a ser pago pelas consultas, remédios e exames é calculado com base no imposto de renda de cada família. A lógica é: se você tem mais recursos econômicos, paga mais; se, por outro lado, a sua renda é baixa ou você se encontra momentaneamente desempregado, você paga menos ou é isento das taxas.
Um plano de saúde particular custa, em média, 250€/ano, para uma pessoa maior de idade. Se você for regularmente residente no país, mesmo sendo estrangeiro, você também tem direito a usufruir o sistema público de saúde. Os brasileiros, por exemplo, podem ter acesso ao sistema de saúde público pelo IB2.
Outra alternativa é realizar consultas com um médico particular e, no final do ano, pedir o reembolso através do imposto de renda.
Outra dica: toda vez que você for à farmácia comprar um remédio, você pode usar a Tessera Sanitaria para registrar o seu gasto. Caso você não seja isento ou o remédio que você precisar comprar não seja coberto pelo SSN (Sistema Sanitario Nazionale, o “SUS” italiano), você também pode pedir o reembolso através do IR.
Cada cidadão tem direito a um “medico di base”, que será o responsável por todas as consultas que você precisar fazer. Antes de realizar uma consulta com um especialista, você precisa passar por ele. Deste modo, ele te dará a documentação necessária, chamado “ticket”, para marcar uma consulta com o profissional certo.
A saúde é a coisa mais importante e, exatamente por esse motivo, não deixe de destinar, com as contas do custo de vida na Itália, um mínimo que seja, para a sua saúde.

Custos de lazer na Itália

A Itália é um país rico de cultura e opções de lazer, como teatros, cinemas, museus e galerias, academias e parques, bares e cafés, restaurantes, passeios e muitas cidades para visitar!

Item Preço
Academia 40€/mês
Cinema 8€
Museu 8€
Jantar (dois pratos, vinho, água) 25€
Aperitivo 10€
Gelato 2,50€

Resumo do custo de vida na Itália

Como vimos acima, o custo de vida na Itália depende de muitos fatores, como o salário e o poder aquisitivo, até a cidade na qual vai viver, enfim, dos seus objetivos e metas.
Grosso modo, podemos dizer considerando o que o país oferece aos seus moradores, o custo de vida na Itália não é alto. É possível economizar e morar bem. Em resumo, o custo de vida médio na Itália para uma pessoa é de:

Item Preço
Aluguel (apartamento de 1 quarto) 595€
Alimentação 130€
Contas da casa 150€ (ou 190€ no inverno)
Transporte 35€
Saúde 250€/ano (plano de saúde particular)
Lazer 130€
Total 1.061€ – 1.101€

Itália x outros países

O custo de vida na Itália é maior que países como Portugal e Espanha. De acordo com uma comparação feita entre Itália e Portugal no Numbeo, em média, o custo de vida na Itália é 25% – 30% maior.
Porém, o salário na Itália é 40% mais alto do que em solo português. A Espanha também apresenta um custo de vida mais baixo em relação ao país da bota, apresentando também pouca diferença salarial com a Itália.
Urbino na Itália

Quanto é um bom salário para viver na Itália?

A Itália não tem um salário mínimo nacional, por isso, não é possível estabelecer um parâmetro em relação a ele. Mas considerando todas as informações que vimos acima, podemos dizer que um bom salário para viver na Itália com certa folga e arcar com os custos de vida é de:

Região Salário médio
Norte 1.600€
Centro 1.300€
Sul 1.200€
Itália 1.400€

Claro, cada um de nós tem um objetivo diferente no final do mês. Para alguns, é importante sair para comer fora todo final de semana, para outros, fazer compras é mais interessante. Lembre-se, esse valores são estimativas para ajudar você durante o seu planejamento mensal.

Afinal, a Itália é um país caro?

Eu diria que a relação custo-benefício vale a pena. Até mesmo em cidades um pouco mais caóticas, como Roma e Milão – sem falar da super-turística Veneza – é possível levar um ritmo de vida saudável, sem gastar demais.
Mais uma vez, tudo isso vai depender do que você procura. Antes de escolher a cidade onde morar, pergunte a si mesmo:

  • O que eu procuro nesta cidade?
  • Tranquilidade ou agitação?
  • Prefiro morar perto de tudo ou morar mais afastado e ter uma qualidade de vida melhor?
  • Quanto estou disposto a pagar pelo meu conforto?
  • Eu uso transporte público?

Espero que conhecer o custo de vida da Itália tenha sido útil para diminuir a distância entre o seu sonho e a realização dele. Para saber mais sobre nos envie um email barrosvallada@gmail.com
Fonte:Eurodicas

 

A pandemia provocou diversas mudanças no mundo todo, principalmente para quem esperava obter a dupla cidadania e mudar de vida. E a pergunta que não quer calar: será que obter a cidadania europeia na pandemia é um bom investimento? Vem saber mais!

Com o início da pandemia provocada pelo novo coronavírus, precisamos fazer diversas adaptações em nossas vidas, enquanto outras tiveram que ser adiadas ou até mesmo canceladas.

Dentre quem precisou recalcular a rota da vida estão as pessoas que esperavam obter a dupla cidadania, para assim mudar de vida. Entretanto, após algumas adequações dos países mais procurados, será que obter a dupla cidadania na pandemia é um bom investimento?

Particularmente, nós acreditamos que a cidadania na pandemia é um bom investimento sim, uma vez que você poderá ter os mesmos direitos anteriores, tais como a transmissão para gerações futuras, facilidade para trabalhar, tornar-se um estudante, ter o privilégio de fixar residência e a entrada facilitada para turismo nos países da Comunidade Europeia e EUA e o principal que é residir em um país com estabilidade socioeconômica.

Além disso, a cidadania na pandemia é um bom investimento, uma vez que em épocas como essa, cada país gerencia a crise de forma diferente. Assim sendo, você terá mobilidade global e a oportunidade de estar em um local que se recupere de forma rápida, com fundações econômico-sociais sólidas e que forneçam segurança econômica.

A procura de pessoas interessadas em obter a cidadania europeia no ano de 2020 teve um aumento cinco vezes maior, se comparado a 2019 . Dentre os principais motivos apontados pelos interessados em conseguir a dupla nacionalidade está o fato de aproveitar este momento para agilizar o processo e principalmente pelas incertezas quanto a economia e mercado de trabalho brasileiro quando tudo passar.

Ainda segundo levantamentos, entre as pessoas que procuraram investir na  durante a pandemia encontram-se homens e mulheres de 19 a 60 anos, sendo tanto casais, como jovens recém-formados e ainda aqueles que desejam melhorar a qualidade de vida.

Assim sendo, quem não deseja migrar para um local com melhores condições quando seu país se encontra em crise econômica e em um cenário instável? É por isso que abaixo você vai ver se a cidadania na pandemia é um bom investimento em alguns países que separamos.

Para descendentes de italianos, a cidadania na pandemia é um bom investimento 

No país da bota, por exemplo, o tribunal de Roma permaneceu fechado durante o pico da pandemia e, com isso, diversas ações judiciais para o reconhecimento da dupla cidadania tiveram que ser remarcadas.

Após algumas adaptações recentes, o tribunal foi reaberto e os brasileiros já podem iniciar o processo de cidadania italiana pela via judicial. Desde setembro, as sessões acontecem de uma nova forma, os juízes passaram a realizar sessões virtuais.

Como qualquer ação judicial, o processo estará baseado nos documentos apresentados pelo requerente, então para iniciar o processo pela via judicial, o requerente deve juntar o máximo de documentos, tais como certidões de nascimento, casamento, óbito etc., do parente italiano. Dessa forma, o juiz competente poderá deferir ou indeferir o pedido. Se deferido, será necessário esperar de três a quatro meses para que a comune transcreva a decisão homologando o requerente como cidadão italiano. Ao todo, da ação judicial ao documento em mãos, leva em média de 21 a 24 meses.

Cidadania por investimento, uma alternativa

A cidadania na pandemia é um bom investimento também para pessoas com poder aquisitivo maior.

Para eles, a alternativa nesses novos tempos tem sido a migração de investimentos, um setor em crescimento, onde os pedidos de passaporte não são baseados na nacionalidade ou cidadania, mas sim nos programas de cidadania por investimento, ou CIPs (do inglês citizen-by-investment programs).

Os CIPs oferecem residência ou cidadania em troca de investimentos substanciais na economia de um país, geralmente na forma de imóveis, criação de empregos, desenvolvimento de infraestrutura ou títulos do governo. Alguns exigem que os candidatos criem organizações sem fins lucrativos, empresas que gerem empregos locais ou vivam no país por um determinado tempo. Outros permitem que os candidatos invistam em títulos do governo, imóveis e projetos de desenvolvimento remotamente.

Para conquistá-lo, o processo de due diligence (a investigação prévia) leva de vários meses a vários anos. Normalmente, os candidatos passam por avaliações financeiras e criminais completas para garantir que o dinheiro foi ganho legalmente, antes da aprovação de sua residência ou cidadania.

Mesmo com dados não apurados de forma científica, a Henley & Partners (especialista em serviços de residência) em recente entrevista à CNN Travel, disse que suspeita que o recente aumento no interesse no CIP pode estar relacionado ao coronavírus, questões de saúde e “previsões do fim do mundo” em geral.

Entretanto, esse modelo é direcionado a elite, uma vez que apenas famílias com patrimônio líquido muito alto podem participar desses programas de residência. A clientela CIP tem sido os norte-americanos, indianos, nigerianos e libaneses. Foram eles os que apresentaram os maiores picos de inscrições nos últimos nove meses. Só para que você possa ter uma ideia, os pedidos vindos dos norte-americanos saltaram 700% no primeiro trimestre de 2020, em comparação com o último trimestre de 2019.

E claro, além dessas questões, a cidadania na pandemia acaba sim sendo um bom investimento visto que neste momento, que muitas vezes podemos não ter muitas perspectivas, inclusive pelo fato de termos que manter o distanciamento social e ficar mais em casa. Isso acaba fazendo com que possamos nos dedicar mais a planos futuros, pesquisas quanto ao mercado de trabalho, universidades e todo o necessário para uma mudança. Em resumo, faz com as pessoas ganhem tempo para se preparar, enquanto aguardam o processo, e assim que tudo isso acabar, estejam prontas para começar uma nova vida.

Para maiores informações entre em contato conosco!

E-mail: barrosvallada@gmail.com

Com informações de: politica.estadao.com.br; catracalivre.com.br; cnnbrasil.com.br; rotunnocidadania.com.br; epocanegocios.globo.com; ansabrasil.com.br e AquilaCompany

A província autônoma de Bolzano, no extremo-norte da Itália, será a primeira unidade administrativa do país a testar um sistema de “passe livre” para pessoas imunizadas contra a covid-19 em determinados locais. A iniciativa se chama “CoronaPass” e vai entrar em vigor nesta próxima segunda-feira (26), data da reabertura de bares e restaurantes na Itália.

O governo do premiê Mario Draghi autorizou apenas o atendimento em mesas ao ar livre, porém a província de Bolzano decidiu dar um passo além e permitir clientes em espaços fechados. No entanto, os salões de bares e restaurantes só poderão receber clientes que apresentarem comprovante de vacinação contra a covid-19, de cura da doença ou teste negativo. O “CoronaPass” funcionará tanto em papel como, a partir de 5 de maio, por meio de um código QR em smartphones e também dará acesso a cinemas, teatros e museus. “A política pode apenas indicar as diretrizes, agora cabe aos cidadãos respeitar as regras, se vacinar e se testar”, declarou o governador de Bolzano, Arno Kompatscher.

Atualmente, as cidades da província dispõem de 400 mil testes PCR gratuitos para a população. Com pouco mais de 530 mil habitantes, Bolzano tem 613 casos ativos do Sars-CoV-2, sendo apenas 11 em terapia intensiva. De acordo com o último boletim do Ministério da Saúde, a província já registrou 70.665 contágios e 1.158 mortes na pandemia, enquanto a Itália inteira soma quase 4 milhões de casos e cerca de 118 mil óbitos. O governo italiano também estuda a criação de um passe sanitário para vacinados em âmbito nacional.

Fonte: Uol noticias

60 mil bilhetes gratuitos disponíveis a partir de outubro, para viajar a partir de março de 2022.

60 mil passagens de trem gratuitas para jovens que moram na União Europeia. E não é pegadinha. O programa é promovido pela DiscoverEU e tem como objetivo fomentar o turismo na Europa.

Lançado em 2018, o programa já distribuiu 30 mil passagens gratuitas. Cerca de 350 mil se inscreveram para participar do programa, dos quais 59% eram alunos do último ano do ensino médio.

A Itália foi um dos países mais ativos: foram quase 10 mil pedidos, para cerca de 3 mil passagens distribuídas.

O sorteio é feito através da base de porcentagem da população de cada Estado-Membro da União Europeia.

Após a parada forçada em 2020, a DiscoverEu dobrou a oportunidade de conhecer os países da União de trem: de 30 mil para 60 mil passagens.

Como participar

Para concorrer a uma das 60 mil passagens de trem, os jovens precisam ter completado 18 anos até 30 de junho de 2020. Morar em um dos países da União Europeia é outro requisito.

As viagens no continente europeu poderão ser feitas entre março de 2022 e março de 2023.

Os vencedores do programa ganharão acesso à viagens de trem ilimitadas durante 30 dias nos trajetos desejados.

Ao todo são 250 mil quilômetros de ferrovias na Europa para percorrer.

O projeto da DiscoverEu já tem financiamento garantido até 2027.

“O programa representa uma importante injeção de confiança para o relançamento de um projeto de mobilidade virtuosa, que visa a inclusão e o apoio à cultura aos jovens, viajantes de trem, para descobrir a Europa”, explicou Gianfranco Battisti, CEO da Ferrovie dello Stato, a mais importante companhia ferroviária italiana. Fonte:italianismo

 

Itália abre exceção para brasileiros entrarem no país em meio à pandemia de Covid-19.

O Ministério da Saúde da Itália abriu mais uma exceção para brasileiros ou para estrangeiros que estão em território nacional para entrarem no país em meio à pandemia de Covid-19.

Até o dia 30 de abril, será permitida a entrada de quem vai ao país para se reunir com cônjuges ou companheiros com união civil. Com isso, a nova liberação soma-se às autorizações anteriores: a entrada de quem tem residência em território italiano antes de 13 de fevereiro deste ano, de quem tem filhos menores de idade ou viaja por motivo de urgência expressamente descrito.

As regras para a viagem continuam as mesmas: será necessário apresentar um teste negativo para o coronavírus Sars-CoV-2 antes do embarque e que tenha sido feito, no máximo, em 48 horas; realizar um novo exame para detectar o vírus no aeroporto, onde for possível, ou em até 48 horas da chegada; e também o isolamento domiciliar por 10 dias com realização de novo teste de detecção da Covid-19 ao fim do período.

A proibição para a entrada de brasileiros ou de pessoas em trânsito pelo Brasil foi decretada em 16 de janeiro e prorrogada por diversas vezes.

A decisão foi justificada pelo descontrole de casos no país e também pelo surgimento de variantes mais contagiosas, como a P.1.

Segundo o último boletim do Ministério da Saúde, ela representava 4% dos contaminados em território italiano, mas estava acima de 30% em algumas regiões que concentram mais brasileiros. (ANSA).

Fonte: Italianismo

Para algumas pessoas pode até parecer um sonho distante, mas empreender em um novo país tem sido a realidade de muitos, especialmente daqueles que já possuem a dupla cidadania. Esse é o caso do país da bota, por exemplo, que graças aos incentivos do governo italiano para empreendedores tem se desenvolvido socioeconomicamente.

Segundo dados da pesquisa da Eurostat, instituto que produz as estatísticas do bloco da União Europeia (UE), a Itália é o país que mais concedeu cidadania a brasileiros em 2017 (último ano com informações levantadas). De acordo com o levantamento, a Itália respondeu por 46% das 21.593 cidadanias dadas a brasileiros, sendo 9.936 beneficiados no país.

Aliás, há dados que mostram que a Itália possui a terceira economia na Zona do Euro e a oitava no mundo (FMI 2016). Outro ponto que também podemos salientar é o poder de compra que está distribuído entre os seus 60 milhões de habitantes com um PIB nominal médio de 35 mil dólares por pessoa.

Dessa forma, nos últimos anos, o número de empreendedores também cresceu significativamente na Itália. Exemplo disso é a constatação feita pela área consular do Itamaraty de que há uma forte vocação empreendedora das comunidades brasileiras emigradas devido a existência de diversos mecanismos de apoio oferecidos pelos países de acolhimento, tais como os incentivos do governo italiano para empreendedores, e ainda um mercado consumidor natural, conhecido como “mercado da saudade”, entre os próprios brasileiros.

O país está na 5ª colocação entre os países europeus, em números de empresas por habitantes. Na edição do ano passado do relatório “Noi, Itália”, publicado em abril de 2019, dados apontam que em 2016 o número de empresas a cada mil habitantes era de 72.4, fato que coloca a Itália acima da média Europeia.

Além disso, empreendedores desenvolvem habilidades ao longo da vida que indicam uma postura intelectual, iniciativa, afeição pelo novo, fácil resolução de problemas, mobilização de pessoas em torno de um propósito e pensamento inovador. O empreendedorismo, mesmo que estrangeiro, possui importância socioeconômica e contribui para o desenvolvimento de um país com: geração de emprego e renda, fomentando a concorrência e, ainda, trazendo soluções para problemas.

A seguir vamos falar mais sobre esses incentivos do governo italiano para empreendedores:

Incentivos do governo italiano para empreendedores

Visando fortalecer a presença de estrangeiros no empreendedorismo, é preciso criar condições que derrubem as barreiras. Como uma das prioridades é o lucro, encontrar fomentos é essencial. É por isso que em países como a Itália existem programas e incentivos do governo italiano para empreendedores que concedem apoio financeiro e empréstimos em condições favoráveis a novos empreendedores.

– Lei de simplificação

Feita para que jovens com menos de 35 anos possam abrir uma sociedade limitada com capital social de 1 euro.

– Agência Nacional para a Atração de Investimentos e Desenvolvimento de Negócios

O órgão promove e financia programas de investimento apresentados por novas e antigas empresas.

SUGESTÃO DE IMAGEM: Logo do programa

– Nova Empresa a Juro Zero

Este programa auxilia na abertura de micro e pequenas empresas que são formadas totalmente ou em sua maioria por jovens com menos de 36 anos ou mulheres de qualquer idade, em todo o território italiano. Feito para novas empresas, que possuem menos de 60 meses ou então para pessoas físicas, nessas mesmas condições, ficando condicionada à abertura de uma empresa em até 45 dias após a aprovação do financiamento.

O incentivo consiste em um financiamento à taxa de juros zero, com um prazo de pagamento de 10 anos, podendo cobrir até 75% das despesas financiáveis. Ou seja, a empresa beneficiada deve garantir a cobertura do programa de investimentos, com recursos próprios, mediante uma contribuição financeira igual ou superior a 25% do total das despesas. O investimento total não pode ultrapassar 1.5 milhões de euros e deve ser realizado em no máximo 2 anos a partir da aprovação do financiamento.

– Smart & Start Itália

Esse financiamento incentiva o crescimento de startups inovadoras. Basicamente, aqui os planos de negócio devem prever um investimento entre 100 mil e 1.5 milhões de euros e devem ser destinados a equipamentos e/ou a custos de operação. O empréstimo é subsidiado à taxa de juros zero, sem necessidade de garantia, e financia 80% do total dos custos admitidos. O prazo para pagamento é de dez anos.

Os planos de negócios devem ser iniciados após a apresentação da solicitação e devem ser concluídos em 24 meses a partir da data de assinatura do contrato de empréstimo. Além disso, eles devem possuir ao menos uma das características: conteúdo tecnológico e inovador significativo; desenvolvimento de produtos, serviços ou soluções no campo da economia digital, inteligência artificial, blockchain e internet of things ou ainda exploração econômica dos resultados do sistema de pesquisa pública.

– Resto Al Sud

Esse incentivo regional, destinado a empreendedores entre 18 e 45 anos, fomenta o desenvolvimento e o nascimento de novas atividades empreendedoras nas regiões de Abruzzo, Basilicata, Calabria, Campania, Molise, Puglia, Sardegna, Sicilia e no Centro Itália (Lazio, Marche e Umbira).

O incentivo financia até 100% das despesas com um limite de 50 mil euros por sócio, podendo chegar a um máximo de 200 mil euros em uma empresa com 4 sócios, sendo 35% a fundo perdido e 65% de financiamento bancário garantido pelo Estado.

Nossa, são diversos os incentivos para quem sonha em empreender na terra da bota, não é mesmo? E você, tem alguma dúvida sobre incentivos do governo italiano para empreendedores? Nos escreva para barrosvallada@gmail.com

Fontes: portalconsular.itamaraty.gov.br; sistemas.mre.gov.br; ec.europa.eu/eurostat; estadao.com.br; conexaoeuropa.com.br; aquilacompany

Muito se ouve falar das vantagens do passaporte vermelho, mas quais seriam elas? E de que serve a cidadania italiana para morar nos Estados Unidos?

Você já possui a dupla cidadania? É que de forma geral, as regras, seja para brasileiros ou italianos, deveriam ser as mesmas, mas sabemos que se você tiver a cidadania italiana para morar nos Estados Unidos, ou no caso um cidadão europeu, será muito mais fácil e barato de conseguir o visto.

Ademais, de acordo com a pesquisa nacional de 2016, quase 17 milhões de norte-americanos autodeclararam-se como sendo de origem italiana, compondo mais de 5% da população dos Estados Unidos.

Inclusive, de acordo com o ranking global Henley Passport Index, que faz uma classificação dos países que podem visitar outros lugares sem a necessidade do visto, o passaporte italiano seria um dos mais poderosos que existe, assumindo a quarta colocação.

Quem tem cidadania italiana precisa de visto para entrar nos Estados Unidos?

Bom, primeiramente, é preciso saber que aqueles que possuem o passaporte italiano eletrônico não precisam de visto para permanecer nos EUA, durante 90 dias, a motivo de turismo.
Entretanto, é preciso que façam o ESTA (Electronic System for Travel Authorization) no prazo de validação de 72 horas. Essa solicitação dura 2 anos, ou seja, isso quer dizer que você pode fazer a viagem pelo período de dois anos e não que possa ficar dois anos por lá. Tudo isso se deve graças ao programa chamado Visa Waiver Program, que significa programa de isenção de visto.

Ademais, independentemente do que você deseja nos Estados Unidos, como, por exemplo, estudar, trabalhar e morar, por mais de 90 dias, será necessário pedir autorizações diferentes.
Mas, e a cidadania italiana para morar nos Estados Unidos?
Como já falamos acima, se o seu sonho enquanto cidadão italiano é morar em solo americano, então saiba que será necessário fazer todos os procedimentos burocráticos tais como os vistos específicos de intercâmbio, trabalhador ou mesmo de imigrante. Os vistos são diferentes entre si, por isso, abaixo, falaremos dos mais comuns.

A cidadania italiana dá, por exemplo, o direito ao ingresso, estudo, turismo e trabalho em todos os países da Europa, além daqueles que fazem parte do Espaço Schengen, que inclui Islândia, Noruega e Suíça.

Tipos de vistos da cidadania italiana para morar nos Estados Unidos

TRABALHO
Os vistos de trabalho nos Estados Unidos dependerão do tipo de trabalho. Conheça alguns:
* H1-B: Para profissões especializadas
* H2: Trabalhadores Sazonais
* H3: Estagiários
* L1-A: Executivo. Voltado para a transferência interna e, em princípio, temporária, de executivos e/ ou gestores da empresa multinacional
* P: Atletas, Artistas e entertainers reconhecidos internacionalmente
* Visto E-2
Esse é um dos vistos mais solicitados. Trata-se de um visto de investidor para quem quer abrir um negócio nos Estados Unidos e que permite que, além de fixar residência, você leve consigo seu cônjuge e seus filhos menores de 21 anos, além de estudar no país, ter acesso ao sistema de saúde e outros. Entretanto, não se trata de uma cidadania, uma vez que você não irá votar, e nem cumprir deveres.Esse é um visto onde os italianos possuem algumas facilidades quando comparado aos brasileiros. Sabe por quê? Acontece que quem tem a intenção de adquirir esse visto precisa ter o passaporte de um dos 50 países que fazem parte do” Tratado de Comércio e Navegação” com o país americano. A má notícia é justamente a de que o Brasil não faz parte da lista, já a boa notícia é que a Itália é um desses países. Por isso, ele é, sem dúvidas, uma das modalidades mais procuradas por aqueles que já possuem a cidadania italiana.
Aí então é preciso ter o que eles chamam de capital substancial, isso é, dinheiro suficiente para o nicho no qual você deseja investir. Porém, os Estados Unidos não estipulam valores máximos. Enquanto o valor mínimo para investir como brasileiro é de 500 mil dólares, tendo passaporte italiano o valor cai para 100 mil dólares.
A validade desse visto é de cinco anos, sem limite de renovação, ou seja, enquanto o negócio estiver funcionando é possível, você poderá trabalhar legalmente nos Estados Unidos, desde que continue fazendo as extensões dos requerimentos do visto.
Futuramente, se o investidor tiver o interesse em se adequar ao Green Card poderá se enquadrar a outros vistos também, tais como o EB-5, uma categoria de visto de imigração, de residência permanente, para atrair investimento estrangeiro e gerar empregos.

ESTUDOS
Quem deseja a cidadania italiana para morar nos Estados Unidos pode achar essa uma boa maneira de viver lá e estudar. Para isso os vistos são:
* Visto F1-F2
* Visto M
* Visto J
Portanto, com toda a certeza, se você tem o American Dream, ou seja, o sonho de viver na terra do Tio Sam, vale sim a pena ter a cidadania italiana para morar nos Estados Unidos.

Fonte: A Gazeta do Povo

Pestana, brachola, muito magrinho, caponata… Você é mesmo italiano

1. Você nasceu gritando e vai continuar o resto da sua vida, afinal em uma família italiana você é incapaz de usar um tom normal ao ouvido humano.

2. E assim como você aprende a falar com a boca, você aprende a falar com a mão.

3. Como se não bastasse falar alto e gesticular enlouquecidamente, todo mundo ri muito alto.

4. Além disso, você se acostumou com uma quantidade monstruosa de palavrões.

5. Mesmo tendo ficado confuso com o fato de que, as mesmas pessoas que tem a boca tão suja, sejam tão religiosas.

6. O que faz com que toda refeição seja acompanhada de uma oração.

7. E também depois de um discurso regado a vinho e cerveja.

8. E tudo isso em proporções continentais, tendo em vista que uma família italiana é sempre composta de 345 tios e 19.387.129.380 primos.

9. Você nem tenta mais identificar o que é briga, o que é conversa e o que é jogatina, porque tudo parece a mesma coisa.

10. Você entende completamente o significado de ficar “zureta com tanto falatório”.

11. Absolutamente TUDO é um grande drama e todo mundo se mete na vida de todo mundo.

12. E por mais italiana que ela seja, sempre vai ter alguma mistura em algum grau com Espanha, Líbano ou alguma outra nacionalidade, afinal estamos no Brasil.

13. O que faz que os dialetos próprios sejam criados e você nunca saiba de onde é o prato típico que está comendo.

14. Você já sofreu muito bullying porque chama o bife à rolê de “brachola”.

15. E apesar das massas e vinhos constantes, sempre tem um puchero (que na verdade é um prato típico espanhol) ou uma feijoada em um dos encontros familiares.

16. Porém, não importa qual seja o prato principal, SEMPRE vai ser uma caponata com um pãozinho de entrada.

17. Se é de uma família mais antiga, você não tem avô e avó — você tem nonno e nonna.

18. E a nonna NUNCA senta para comer, na verdade você não entende como ela consegue ficar em pé por tanto tempo.

19. Não importa o seu peso, você sempre vai estar “muito magrinho” para ela.

20. E independente da sua idade, provavelmente vai ter alguém te apertando alguma parte do seu corpo, em especial as bochechas.

21. E se é menino, vai sempre levar um tapão nas costas quando for cumprimentar os tios.

22. Tudo QUASE termina com um cafezinho.

23. Mas é só quase porque tem a pestaninha depois do café.

24. Pestaninha essa que permite que você esteja pronto para comer mais depois.

25. E tudo isso ignorando completamente “os plural tudo”, como um bom italiano.

Fonte: Italianismo

Cônjuges de cidadãos húngaros têm direito à cidadania húngara?

Sim. Cônjuges de cidadãos húngaros podem obter a cidadania húngara através da naturalização simplificada, caso já estejam casados há 5 (cinco) anos e têm filhos em comum ou há 10 (dez) anos sem filhos. Tais prazos são contados a partir da contração do casamento. Em ambos os casos, o cônjuge requerente precisa ter domínio do idioma húngaro.

Para mais informações, entre em contato conosco!